CTR perde importância conforme os objetivos das campanhas de marketing digital

23/11/2009
  • Pin It

A Revista Proxxima deste mês traz como reportagem principal um tema no mínimo polêmico para as agências de marketing digital.

Os motivos que fomentaram essa reflexão têm origem na constatação recém divulgada na pesquisa da ComScore de que “os grandes movimentos de tráfego e de compras gerados na internet são resultado de 84% dos internautas que não clicam nos banners de comunicação online”.

Segundo a pesquisa, a propensão dos internautas em clicar nos tradicionais banners publicitários diminui, ao passo que ganham experiência e maturidade de navegação na web.

A reportagem sugestiona também uma redução da relevância do uso do CTR (percentual de cliques) como um dos principais critérios de eficiência de uma campanha de marketing digital, afinal de contas, o internauta pode não clicar ao mesmo tempo em que é impactado pelos banners.

Importância da definição de objetivos no marketing digital

Nesse sentido, a definição de objetivos para as campanhas de publicidade online torna-se imperativa. Para objetivos relacionados ao aumento do mailing para disparos de email marketing ou a divulgação de preços baratos, o CTR continua relevante.

Em contrapartida, se o anunciante optar por ações relacionadas à difusão de conceitos, percepções e posicionamentos relacionados à sua marca, a importância do CTR deve ser minimizada, pois afere poucas informações em comparação com outras métricas existentes ou pelas manifestações feitas pelos internautas nas redes sociais.

Papel das agências de marketing digital

Com tudo isso, a importância das agências de marketing digital cresce consideravelmente devido a capacidade na definição dos objetivos das ações, critérios de performance, escolha de mídias online e abordagens que serão usadas junto ao público alvo.

Como os internautas brasileiros adoram se relacionar pela internet e são ativos na divulgação de informações úteis, ao mesmo tempo em que pesquisam sobre preços, marcas e produtos em sites de relacionamento, as atividades de social media marketing também precisam existir, pois fornecem informações espontâneas que vão muito além de um simples monitoramento on-line.

Conclusão

Sabe-se que a internet é uma tecnologia nova e que os internautas continuarão mudando seus hábitos na medida em que se tornam mais maduros. Em contrapartida, o “relacionamento humano” continuará existindo… A novidade agora é que ele passou a acontecer dentro da “rede”.

Portanto, novas estatísticas como as apontadas pela pesquisa continuarão surgindo e, naturalmente, gerarão novas reflexões e práticas. Não sabemos onde essa revolução acabará. O importante é sabermos como acompanhá-la melhor!

Rodrigo Sampaio
Autor: Rodrigo Sampaio

Diretor Executivo da Estratégia Digital, Professor de 5 cursos de Marketing Digital e 2 turmas de Facebook Marketing oferecidos em Ribeirão Preto, MBA em Marketing FGV e Aluno EAD do MBA em Gestão Estratégica USP.

line
line

Deixe seu comentario

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*